Não perca o E-book!

Inscreva-se para receber o E-book CCDAE grátis com 101 reflexões no Evangelho!

REFLEXÃO: FALSOS PROFETAS, PENTECOSTALISMO E O DOM DE PROFECIA

Falsos profetas, Pentecostalismo e o dom de profecia: abra o seu discernimento sobre esses assuntos, e descanse na paz de Cristo, através do Evangelho.

FALSOS PROFETAS

                     FALSOS PROFETAS

É muito comum ver pessoas que ficam buscando revelações de profetas caírem nas mãos de lobos e falsos profetas. Essas pessoas acabam por ficarem desorientadas, confusas e são jogadas de um lado para o outro por todo vento de “profecia” ou “novo mover de Deus”. Quanto mais uma pessoa se lança e se aprofunda no Espírito do Evangelho de Cristo, mais ela se sente uma com o Pai celestial, menos ela busca consumir revelações externas, menos impressionada ela fica e menos dependente da subjetividade dos outros ela se tornará; pois, o Evangelho de Cristo, fortalecerá a sua consciência e formará uma fortaleza em sua alma. Quando temos essa consciência e fortaleza do Evangelho formada e solidificada dentro de nós, começamos a discernir o que é Espírito de Cristo e o que é espírito do engano. Profecias/revelações diretas de uma pessoa a outra existem; porém, com o advento do movimento pentecostal, esse dom – outrora sutil singelo e sem vanglória – foi sendo banalizado e fabricado para o consumo do povo. Isso gerou uma grande fixação temática em dons (no caso aqui, no de línguas e no de profecias), relativizando toda a essência do Evangelho de Cristo. Essa fixação temática desse movimento nos dons de profecias e de línguas, sem Evangelho, formou, através da apreensão e do medo que tais profecias geram no povo, uma atmosfera amedrontadora e manipulativa. Tal fixação também gerou uma doença no meio do povo: a paranoia profética. Além disso, tais “profetas” são encarados e idolatrados, pela maioria da comunidade pentecostal, como seres superiores. Hoje em dia é cada vez mais raro, mas Deus dá para alguns o dom de revelação direta a outrem; todavia, muitos desses alguns que o receberam, se ensoberbeceram. Deus é gracioso, ele dá dons conforme a necessidade e sua Graça, porém onde não há Evangelho de Cristo (que é Graça, Amor, perdão, verdade, humildade, sensatez e todos os frutos do Espírito.), e, nem ao menos, um espinho na carne, fatalmente haverá ensoberbecimento. O homem é propenso a não saber lidar com nenhum tipo de grandeza. O Apóstolo Paulo, por exemplo, só não se ensoberbeceu por causa do Evangelho em seu coração; e, também, devido a um espinho na carne que ele tinha, o qual o próprio Deus se negou retirá-lo da carne do Apóstolo. O resultado da mistura desse dom, sem espinho na carne, com ensoberbecimento e falta de Evangelho no coração de quem o recebe, são as profecias carnais convenientes e essa confusão toda feita usando o nome de Deus. Dentre as várias passagens sobre falsos profetas encontradas nas escrituras, confira essa proferida por um verdadeiro profeta, o Profeta Jeremias:

“Porquanto assim diz o Senhor dos Exércitos, o Deus de Israel: ‘Não vos deixeis enganar pelos profetas e adivinhos que habitam entre vós, nem deis atenção aos sonhos que vós mesmos os estimulam a ter.” Jeremias 29:8

Interessante é que o Profeta Jeremias disse que o próprio povo estimulava os falsos profetas a profetizarem. Hoje em dia isso não é diferente. Por causa da carência do Evangelho de Cristo no coração, muitas pessoas exalam as suas debilidades e a necessidade de profecias; e, assim como hienas, os falsos profetas sentem esse cheiro e se aproveitam da situação. Confira o que está escrito na primeira carta aos Coríntios:

“Mas quem profetiza o faz para EDIFICAÇÃO, ENCORAJAMENTO e CONSOLAÇÃO dos homens.” 1 Coríntios 14:3.

Sim! Se for profecia terrorista, se não for para o CRESCIMENTO, ENCORAJAMENTO E CONSOLAÇÃO dos homens, então rejeite-a. Mas, alguém pode me dizer: “Evangelista Bruno, eu vi uma ou mais profecias terroristas acontecerem!” Em primeiro lugar, se não foi você que a recebeu, o seu olhar diante da situação foi limitado, pois você estava vendo a sequência dos fatos de fora, como um mero telespectador. E, em segundo lugar, posso te dizer que quem fez tais profecias acontecerem não foi quem profetizou, mas sim quem as recebeu. O próprio medo crente-absorvedor dessa pessoa fez a profecia tomar forma na vida dela. A profecia da nova aliança é Cristo em nós: esperança da glória, é a nossa absolvição pela fé em Cristo, é a oração que Cristo fez para nos livrar-nos do mal do mundo, é discernimento contra todo o engano, é resistir ao Diabo e se sujeitar a Deus para que ele fuja de nós, é Amor Graça e Exortação de um Pai que nos ama e do Cristo que morreu por nós. Ele veio a esse mundo não para esmagar, pesar e condenar; mas para aliviar, consolar, salvar e guiar os sentidos das pessoas para o caminho do bem e da salvação nele, através da Palavra de Deus, da Palavra do Evangelho, soprada em corações nos quatro cantos da terra – com ou sem auxílio da Escritura. Se encha com o Espírito do Evangelho de Cristo, e Deus te dará lucidez, discernimento e revelações existenciais de você nele e nele em você. Não seja um (a) dependente-carente de homens, mas amadureça em Cristo.  A Paz de Cristo seja com todos.

Sugestão para sua próxima leitura => Farão comércio de vos

Comente por meio de seu Facebook

Avatar

Bruno Monsores é Escritor, Evangelista e Idealizador do site de ensino do Evangelho Crendo como diz a Escritura (CCDAE), pelo qual ensina e anuncia o Evangelho da Graça de Deus.

Gostou da mensagem?

Inscreva-se para receber novas mensagens diretamente em seu e-mail!

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

1 + 6 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.

Este site usa cookies e outras tecnologias similares para lembrar e entender como você usa nosso site, analisar seu uso de nossos produtos e serviços, ajudar com nossos esforços de marketing e fornecer conteúdo de terceiros. Leia mais em Política de Cookies e Privacidade.